jump to navigation

O que é WEB 2.0? abril 8, 2007

Posted by eduardotrindade in Trabalhos Jornalismo Online.
trackback

O conceito de WEB 2.0 ainda não parece bem claro para a grande maioria dos usuários da rede mundial de computadores. Sabemos que as diferenças residem em grande parte nos novos padrões de arquitetura participativa, mas também e, principalmente, no modelo de negócio que se altera dramaticamente com a nova era.

Nossa tentativa, aqui, é explicar alguns dos conceitos principais que possam dar uma idéia mais concreta do que vem a ser WEB 2.0. Além de falarmos um pouco sobre dois destes conceitos que pairam ao redor do tema, trazemos exemplos de um produto típico da era WEB 2.0 para clarear os conceitos selecionados.

Plataforma Vs. Software

Uma das principais características da revolução da web é justamente esta. Em situações que anteriormente precisariamos de um software instalado em nosso computador, hoje contamos com produtos WEB 2.0.

Por exemplo, ao invés de um Sistema de Gerenciamento de Conteúdo, as empresas podem fazer uso, sem custo, do JotSpot. O site é, na verdade, um Wiki. Mas o que é um Wiki? Exatamente isso! Ah, não entende inglês, te liga meu amigo! Buenas, espero que isto te ajude companheiro.

Pois bem, com os Wikis, a WEB 2.0 atinge, pelo menos no cerne da questão, o sonho de Vannevar Bush. E é justamente aí que entra a mudança no modelo de negócios. A era do domínio da Microsoft está chegando ao fim. A idéia básica é a seguinte: O modelo de negócio de Bill Gates, exige que os usuários estejam com seus programas sempre atualizados com o que tem de mais recente na área de software. Tal prática empresarial começa a ceder lugar para aqueles emprendedores que ao invés de exigir atualizações de programas trabalham as potencialidades do meio ao máximo.

Folksonomia Vs. Taxonomia

Novamente o engenheiro e sua idéia mirabolante parecem ser, finalmente, compreendidos. Segundo o percussor da World Wide Web, o processo de armazenamento e busca de arquivos nesta rede mundial deveria ser mais “brain-like”. São as palavras, aleatoriamente, não pastas, ou grupos e subgrupos, que nos levam a percorrer diferentes caminhos de lembranças dentro de nossos cérebros.

Em outras palavras, é como dizer que nosso cérebro não armazena de forma linear e padronizada. Ao contrário, as sinapses que acessam nossa memória são formadas por estímulos elétricos gerados pela lembrança das mais diferentes palavras, que formam as conexões mais variadas e não lineares possíveis.

Devido a estes Tags característicos da Folksonomia, onde um usário amplia as possibilidades de ligações com determinado assunto através de palavras associativas, a idéia de que o usuário agrega valor toma força. Na verdade, uma das características mais interessantes dos produtos WEB 2.0 é justamente a premissa de que todos estes produtos ficam melhores quanto mais usuários o utilizarem. É o desenvolvimento da inteligência coletiva da rede.

JotSpot e a WEB 2.0 

O JotSpot, por exemplo, permitiu a Oxford University Press substituir o velho Lotus Notes e outros softwares para “intranets” pelo serviço da plataforma online. Neste ciberespaço, através de um username e senha, todos os funcionários tem acesso a este Wiki. Ali é possível encontrar documentos e manuais de treinamentos criados nas mais diferentes partes do mundo e ligados por elos personalizados, criados pelos próprios usuários.

Assim fica claro que o JotSpot, recém adquirido pelo Google, apresenta as duas características que nos dispomos a analisar. É um serviço disponível como plataforma, não como software e, além disso, permite a personalização e criação de novos links, através de tags, na rede, de forma que toda vez que alguém acessar o wiki estará colaborando para a criação de novos mecanismos de busca para aquele assunto específico.

jotspot.jpg

Acima e abaixo, duas imagens do JotSpot sendo utilizado como intranet de marketing para os funcionários da Oxford University Press, com vários documentos importantes de acesso público, facilitando e agilizando a vida da empresa e de seus empregados.

jotspot2.jpg

Anúncios

Comentários»

1. The Akinator Web Genius « ELT and WEB connections - agosto 20, 2009

[…] At least I was not yet able to fool the website. It works as a huge databank constantly updated with collective information from all the people who play with it. So it only misses the guess about one single person once, because it asks who you thought of, then the next time someone thinks of the same person, it already has the data. It’s what some internet theories call the collective intelligence of web 2.0 platforms. […]

2. Summary of the presentation on blogging and ELT « ELT and WEB connections - agosto 19, 2009

[…] the platforms mentioned on step one. In case you have doubts on how you can do that, all those web 2.0 applications offer help links that will give you the necessary instructions to […]

3. Blogger and the video upload feature « ELT and WEB connections - agosto 19, 2009

[…] please, double check it ’cause in a few minutes things can change a lot when it comes down to Web 2.0 […]

4. O poder da interatividade « Eduardo Trindade online - maio 2, 2008

[…] movimento dos torcedores nos forums, chats, comentários, blogs e outras plataformas WEB 2.0, pode até mesmo interferir no curso normal das decisões do futebol do Grêmio. O fato se […]

5. Microsoft e a WEB 2.0 - Capítulo 2 « Eduardo Trindade online - fevereiro 13, 2008

[…] está definitivamente empenhada na briga para ingressar com tudo contra o Google no mercado da WEB 2.0 e seus planos passam, sem dúvidas, por esta compra. Nos próximos dias deverá mesmo surgir uma […]

6. Microsoft e a WEB 2.0 « Eduardo Trindade online - fevereiro 6, 2008

[…] Microsoft e a WEB 2.0 fevereiro 6, 2008 Posted by eduardotrindade in Jornalismo Participativo. Tags: Bill Gates, gigantes, google, informática, Microsoft, plataformas, softwares, WEB 2.0, Yahoo trackback A proposta multi-bilionária da Microsoft para a aquisição do Yahoo representa a maior investida da poderosa de Bill Gates na tentativa de abalar o crescimento do império Google com a WEB 2.0. […]

7. Resposta a Malu - abril 13, 2007

Com relação a seu comment em meu blog, acho que não entendeste a idéia do HIPERTEXTO.

Sei que WIKI não é um termo em inglês, mas o HIPERLINK do primeiro termo WIKI no paragrafo em questão manda o leitor para a explicação sobre o que é WIKI em INGLÊS. Daí a idéia de brincar com o Hipertexto e linkar a palavra ISTO (na frase: Talvez ISTO te ajude) com a explicação sobre o termo WIKI em PORTUGUÊS. Captou a idéia?

Obrigado pelo comentário de qualquer forma.

Obrigado.

Eduardo Trindade

8. Malu - abril 12, 2007

O termo “Wiki wiki” significa “super-rápido” no idioma havaiano. Já em maori Wiki significa “fim-de-semana”. É também a forma diminutiva de Wikitoria, versão Maori do popular nome cristão Victoria.

e o inglês, amigo?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: