jump to navigation

Parada temporária no blog maio 11, 2010

Posted by eduardotrindade in Futebol, Jornalismo Participativo, Trabalhos Jornalismo Online.
Tags: , , , , ,
1 comment so far

Prezados leitores, é com muito orgulho que assumo, amanhã, uma vaga temporária no ClicEsportes, em substituição a um dos integrantes da editoria de esportes do ClicRBS, que sofreu uma cirurgia de joelho e se ausentará de suas funções temporariamente.

Estou realmente muito feliz por estar abrindo uma oportunidade, ainda que apenas por tempo determinado, no portal de esportes do maior grupo jornalístico do Rio Grande do Sul. 

Sempre tive em mente que, no momento de minha entrada em algum veículo de comunicação, as atividades deste blog teriam de ser reduzidas ou até mesmo interrompidas. Este é o caso agora, pelo menos durante o tempo deste trabalho.

Agradeço a todos pela audiência e pela compreensão. Até breve.

Eduardo Trindade – Jornalista

Anúncios

Blogs gritam pela RCTV junho 21, 2007

Posted by eduardotrindade in Trabalhos Jornalismo Online.
add a comment

Com o fechamento da RCTV na Venezuela, devido à não renovação da concessão, as manifestações contrárias a Hugo Cesar Chavez, já comuns no país, tomaram outras dimensões.

Com medo do que taxam de ameaça à liberdade de expressão, blogueiros entram em cena e agitam a blogosfera venezuelana. Uma demonstração é o site criado para discutir o assunto, num agregador de blogs venezuelano.

Na verdade a natureza do meio favorece as manifestações, uma vez que não sofre a censura dos meios tradicionais. A própria emissora venezuelana recorreu à rede para continuar transmitindo programas através de seu site.

Apesar de todos os protestos, há quem concorde com a não renovação da concessão, a partir do momento que a emissora tem uma relação de acusações de supostos crimes contra a Venezuela.

O que se pode perceber, é que o tema ainda deve dar muito pano pra manga e assunto para blogs.

O ensino de inglês à distância maio 31, 2007

Posted by eduardotrindade in Trabalhos Jornalismo Online.
6 comments

A diversificação no ensino tradicional de línguas

Na busca por um novo nicho, empresários do mercado educacional resolveram diversificar sua área de atuação. Uma dessas diversificações veio exatamente para atender a demanda daqueles que, apesar de precisarem aprender a usar a lingua para os mais diversos fins, não encontravam espaços no horário para devotar ao estudo de inglês.

De acordo com a escola English Town, maior portal de ensino de inglês à distância, a razão número 1 para a opção pelo EAD é o fato de que 98% dos alunos indicam o curso para conhecidos. Não apenas pela flexibilidade no horário, mas porque a modalidade de ensino à distância permite, com mais facilidade, efetuar adaptações curriculares individuais para cada aluno, de acordo com suas necessidades ou objetivos específicos.

Felipe Ramos, Diretor do conselho administrativo da Englishvox Educação, destaca que o principal ponto a favor do ensino remoto é que as aulas podem ser agendadas para o horário e local que melhor convier, de acordo com as necessidades do aluno. Em outras palavras, reforça, o aluno não se vê preso a um calendário de encontros presenciais que não poderá cumprir. Ao invés disso ele mesmo traça um plano de aulas que melhor se adapte a sua disponibilidade. 

dsc00100.jpgLuiza Aguiar, aluna da EnglishVox, afirma que finalmente, após várias tentativas sem sucesso com o ensino tradicional, está conseguindo evoluir com os estudos de inglês. Luiza nunca teve antes a possibilidade de assumir compromisso com aulas presenciais, pois ao final do semestre havia perdido metade das aulas e acabava sempre tendo que recomeçar o mesmo nível. Hoje, graças à flexibilidade proporcionada pelo e-learning Luiza consegue alcançar os objetivos propostos.

Na contra mão do Ensino À Distância

A principal corrente contrária ao EAD afirma, com veemência, que não existe aprendizado sem socialização. É a linha sócio-interacionista. Para o professor e pesquisador Airton Mattos, doutor em cognição e desenvolvimento humano, os seres humanos precisam de interação social para construir com efetividade sua rede cognitiva. “É apenas através da interação com outros e da relação de afetividade que as pessoas realmente são educadas”, esclarece. “Minha visão é a de que o computador e a rede mundial de computadores podem ensinar, mas não são capazes de educar”, continua o professor.

Para Airton, os cursos de inglês à distância não favorecem a criação de um vínculo afetivo, da sensação de pertencer a um grupo, como nos cursos tradicionais, pois as aulas que oferecem alguma forma de interação são marcadas de acordo com o ritmo de cada um, fazendo com que os alunos que estiveram juntos em um determinado encontro virtual, possivelmente não se encontrem novamente em uma outra sala de aula virtual.

emotional-intelligence-cover.jpgA teoria Sócio-Interacionista é corroborada por autores como Daniel Goleman em seu livro Emotional Intelligence  (Inteligência Emocional). No livro, Goleman aborda a afetividade e sua relação com a capacidade um indivíduo aprender, em maior ou menor grau, determinada matéria ou língua, por exemplo. Para o autor o gosto que cada um desenvolve por determinada área curricular depende exatamente da inteligência emocional desenvolvida nos contatos do aprendiz com a matéria em questão.

(mais…)

O que é WEB 2.0? abril 8, 2007

Posted by eduardotrindade in Trabalhos Jornalismo Online.
8 comments

O conceito de WEB 2.0 ainda não parece bem claro para a grande maioria dos usuários da rede mundial de computadores. Sabemos que as diferenças residem em grande parte nos novos padrões de arquitetura participativa, mas também e, principalmente, no modelo de negócio que se altera dramaticamente com a nova era.

Nossa tentativa, aqui, é explicar alguns dos conceitos principais que possam dar uma idéia mais concreta do que vem a ser WEB 2.0. Além de falarmos um pouco sobre dois destes conceitos que pairam ao redor do tema, trazemos exemplos de um produto típico da era WEB 2.0 para clarear os conceitos selecionados.

Plataforma Vs. Software

Uma das principais características da revolução da web é justamente esta. Em situações que anteriormente precisariamos de um software instalado em nosso computador, hoje contamos com produtos WEB 2.0.

Por exemplo, ao invés de um Sistema de Gerenciamento de Conteúdo, as empresas podem fazer uso, sem custo, do JotSpot. O site é, na verdade, um Wiki. Mas o que é um Wiki? Exatamente isso! Ah, não entende inglês, te liga meu amigo! Buenas, espero que isto te ajude companheiro.

Pois bem, com os Wikis, a WEB 2.0 atinge, pelo menos no cerne da questão, o sonho de Vannevar Bush. E é justamente aí que entra a mudança no modelo de negócios. A era do domínio da Microsoft está chegando ao fim. A idéia básica é a seguinte: O modelo de negócio de Bill Gates, exige que os usuários estejam com seus programas sempre atualizados com o que tem de mais recente na área de software. Tal prática empresarial começa a ceder lugar para aqueles emprendedores que ao invés de exigir atualizações de programas trabalham as potencialidades do meio ao máximo.

Folksonomia Vs. Taxonomia

Novamente o engenheiro e sua idéia mirabolante parecem ser, finalmente, compreendidos. Segundo o percussor da World Wide Web, o processo de armazenamento e busca de arquivos nesta rede mundial deveria ser mais “brain-like”. São as palavras, aleatoriamente, não pastas, ou grupos e subgrupos, que nos levam a percorrer diferentes caminhos de lembranças dentro de nossos cérebros.

Em outras palavras, é como dizer que nosso cérebro não armazena de forma linear e padronizada. Ao contrário, as sinapses que acessam nossa memória são formadas por estímulos elétricos gerados pela lembrança das mais diferentes palavras, que formam as conexões mais variadas e não lineares possíveis.

Devido a estes Tags característicos da Folksonomia, onde um usário amplia as possibilidades de ligações com determinado assunto através de palavras associativas, a idéia de que o usuário agrega valor toma força. Na verdade, uma das características mais interessantes dos produtos WEB 2.0 é justamente a premissa de que todos estes produtos ficam melhores quanto mais usuários o utilizarem. É o desenvolvimento da inteligência coletiva da rede.

JotSpot e a WEB 2.0 

O JotSpot, por exemplo, permitiu a Oxford University Press substituir o velho Lotus Notes e outros softwares para “intranets” pelo serviço da plataforma online. Neste ciberespaço, através de um username e senha, todos os funcionários tem acesso a este Wiki. Ali é possível encontrar documentos e manuais de treinamentos criados nas mais diferentes partes do mundo e ligados por elos personalizados, criados pelos próprios usuários.

Assim fica claro que o JotSpot, recém adquirido pelo Google, apresenta as duas características que nos dispomos a analisar. É um serviço disponível como plataforma, não como software e, além disso, permite a personalização e criação de novos links, através de tags, na rede, de forma que toda vez que alguém acessar o wiki estará colaborando para a criação de novos mecanismos de busca para aquele assunto específico.

jotspot.jpg

Acima e abaixo, duas imagens do JotSpot sendo utilizado como intranet de marketing para os funcionários da Oxford University Press, com vários documentos importantes de acesso público, facilitando e agilizando a vida da empresa e de seus empregados.

jotspot2.jpg

A Remediação em foco março 31, 2007

Posted by eduardotrindade in Trabalhos Jornalismo Online.
add a comment

terra.jpgHá muito o que discutir sobre o assunto. De qualquer forma a apropriação de traços de um mídia para outro é uma das principais características da remediação. Tendo isto em mente, a principal intenção deste texto é exemplificar como podemos percebê-la no site do Terra.

São visíveis alguns dos processos de assimilação de linguagem, estilo e características de meios tradicionais, como o rádio e a TV, pela internet. O Terra TV é um exemplo claro de que as novas mídias coexistem, ou interagem, com as tradicionais.

Na verdade não há abandono dos meios antigos, apenas uma reciclagem dos mesmos em um novo meio que, apesar de apropriar-se de características de mídias já existentes, têm um funcionamento próprio e diferenciado.

No caso do Terra TV, a linguagem e algumas características da mídia TV foram incorporadas por um site, afim de transmitir mensagens audiovisuais, de sua própria maneira.

A diferença é justamente esta. Como mencionado acima, ao incorporar alguns destes traços da TV, o meio não abandona suas próprias características. Ao contrário, há um processo contínuo de reacomodação de forças, onde o internauta tem acesso a conteúdos com características de TV, mas apresentados dentro de uma lógica de seleção interativa, típica da internet.

tvterra1.jpg

De acordo com a importante contribuição de Marshall McLuhan, O Meio é a Mensagem, ou seja, o conteúdo de um meio é sempre outro meio. Toda mídia é um sistema em contínua mudança e a remediação auxilia na familiarização da nova mídia, recorrendo às linguagens já conhecidas das mídias anteriores.

Reciprocamente, as mídias tradicionais passaram a se apropriar das linguagens das novas mídias.

Interessante notarmos, ainda, que a estratégia dominante no Terra TV, assim como na web de forma geral, é a hipermediação onde o conteúdo, apesar de algumas características da TV, é fragmentado e “randômico”, sem começo, meio e fim claros.

Matrix, Djs e Cibercultura março 16, 2007

Posted by eduardotrindade in Trabalhos Jornalismo Online.
add a comment

Vários são os exemplos da presença do conceito de cibercultura no cinema. De toda forma, optamos por mencionar aqui aquele que traz algumas contradições de acordo com estudiosos do tema.

matrix.jpg A cibercultura em Matrix é uma paródia do cotidiano, onde a ficção fala do presente com componentes do imaginário tecnológico contemporâneo. O controle, redes telemáticas mantendo o ser humano na ilusão de realidade e o undeground retratado pelos hackers.

O filme apresenta personagens e temas relativos à ficção-científica cyberpunk, além de tratar de questões referentes às redes telemáticas, ao virtual e às ações dos hackers e ao controle do ser humano pelas tecnologias. Todos estes são temas da cibercultura. 

Segundo Jean Baudrillard, entretanto, o filme não passa de um simulacro da virtualidade. Para Baudrillard o filme é óbvio e se perde em uma mera oposição virtual-real.

A discussão pode ser longa, mas se considerarmos o conceito de cibercultura, por Pierre Lévy, a realidade virtual de matrix, anulando a realidade não virtual, não pode ser considerada um exemplo de cibercultura. Para Levy, os modos de relação, o conhecimento e a aprendizagem da cibercultura não paralisam ou anulam os já existentes. Ao invés disso, os ampliam e os tornam mais complexos.

Na música, como diz Pierre Lévy em seu livro Cibercultura, a música tecno é que melhor sintetiza a cultura tecnológica pós-moderna. As músicas produzidas por DJ são espalhadas rapidamente pelo mundo através do ciberespaço.

Qualquer pessoa, em qualquer canto do mundo, pode montar um homestudio, por exemplo, e com alguns equipamentos digitais transformar o que até então seria a música gravada original. A música tecno é nada mais que um reordenamento dos sons da música original.

Hoje, os DJs mais famosos do mundo, como Tiesto, Sasha, ou Carl Cox, produzem digitalmente músicas que serão ouvidas no mundo inteiro através do ciberespaço. A cibercultura na música se exemplifica ainda com a proliferação das festas Raves e com a formação de tribos de ravers que como referencial comum tem o gosto pela música eletrônica e o uso de tecnologias contemporâneas.

Perfil e Expectativa março 2, 2007

Posted by eduardotrindade in Trabalhos Jornalismo Online.
1 comment so far

Buenas, sou o Luís Eduardo Trindade, mas prefiro ser chamado apenas Eduardo Trindade. Tenho 32 anos e há 14 trabalho com o Ensino da Língua Inglesa. Em 2002, comecei, devido à experiência de sala de aula, a trabalhar como consultor de línguas para uma editora internacional (Richmond Publishing).

banner_1b1.jpg

Em seguida, no ano de 2003, a Oxford University Press me convidou para fazer parte de seu staff no Rio Grande do Sul como consultor de inglês, ministrando palestras e treinamentos para os professores usuários de nossos mais variados métodos de ensino. Hoje, além da consultoria, sou o responsável pelo gerenciamento das atividades do núcleo da Oxford University Press no Rio Grande do Sul.

Tenho ótimas expectativas com relação à disciplina de Jornalismo Online, até porque posso realmente fazer uso das técnicas que aprenderemos na disciplina para minha prática diária. Em suma espero ter um semestre proveitoso e ao mesmo tempo divertido, por estarmos trabalhando com um tipo de mídia que me agrada bastante.

Ah, mais um detalhe: Sou TRICOLOR e lamento informar-te que em dezembro de 2007 é o glorioso GRÊMIO quem será o Campeão do Mundo Fifa. Desta vez nós estamos lá. Pode esperar!!