jump to navigation

A campanha de Renato Gaúcho dezembro 6, 2010

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Muito provavelmente o trofeu de melhor técnico do Brasileirão 2010 cairá novamente nas mãos de Muricy Ramalho. Justo, afinal Muricy fez aquilo que técnico nenhum fez nos últimos anos no Fluminense. De qualquer forma, é preciso ressaltar a campanha de Renato Gaúcho à frente do Grêmio.

O treinador, ídolo na Azenha pela conquista da Libertadores e do Mundial Interclubes em 1983 com a camisa 7 eternizada no Olímpico, recebeu o time na zona do rebaixamento e o levou à quarta colocação, na faixa de classificação à Libertadores.

O Grêmio não apenas foi a melhor campanha do segundo turno, com 43 pontos conquistados, contra, 33 do Fluminense. O time jogou bem, com raras exceções, dentro e fora de casa. E tudo isso com o dedo de Renato Gaúcho. O técnico devolveu aos jogadores o orgulho de jogar com a camiseta Tricolor. E isso fez toda a diferença.

Renato recuperou jogadores como Douglas e o próprio Jonas, que andavam pouco acreditados e já sofriam com vaias. Douglas foi para a seleção, está entre os melhores do campeonato e recupero sua auto-estima. Jonas virou o goleador disparado do Brasileirão 2010.

Além deles teve Lúcio que de lateral reserva passou a cumprir uma função importantíssima no meio campo, deixando o lado esquerdo do Grêmio um perigo para qualquer defesa.

E não bastasse a recuperação psicológica de jogadores importantes, o técnico indicou a contratação de dois grandes exemplos deste time de Renato. O lateral-direito Gabriel e o zagueiro xerifão Paulão.

O primeiro é um dos melhores laterais em atuação no Brasil e provou isso jogando o segundo turno no Grêmio. Paulão é limitado tecnicamente, mas por isso mesmo esbanja seriedade, vigor e raça em uma posição onde estas três qualidades são muito mais importantes que uma técnica refinada.

Enfim, por tudo o que coloco brevemente neste post, considero Renato Gaúcho o melhor técnico do Brasileirão, ainda que o trofeu vá para Muricy. Nos próximos posts, colocarei aqui alguns números impressionantes da campanha do Grêmio sob o comando de Renato Portaluppi no segundo turno do Campeonato Brasileiro 2010. Confiram!

Anúncios

A outra semifinal da Fábio Koff abril 9, 2010

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Os jogos desta quinta feira pelo Gauchão 2010 definiram a segunda semifinal da Taça Fábio Koff. No primeiro confronto da noite o Zequinha recebeu o Inter de Santa Maria no Passo d’Areia, logo depois o Grêmio pegava o Pelotas no estádio Olímpico.

São José vs. Inter de Santa Maria

O primeiro jogo da noite, a exemplo dos jogos da quarta-feira, foi decidido nas penalidades. A diferença foi que, ao contrário dos empates de quarta, com vários gols, São José e Inter SM empataram sem gols. Nos pênaltis o time do técnico Argel foi mais competente, o goleiro Thiago defendeu duas cobranças e o Zequinha fechou o placar em 3 a 1, classificando-se para a segunda semifinal da Taça Fábio Koff.

Grêmio vs. Pelotas

No estádio Olímpico, o Tricolor caiu diante do Pelotas, e teve sua invencibilidade de 51 jogos em casa quebrada. Além disso, com a derrota, o Grêmio fica de fora das semifinais da Taça Fábio Koff e aguarda seu campeão para a grande final do Gauchão 2010. O Lobão encarou e, com uma ajudinha do árbitro Fabrício Corrêa, virou o jogo por 2 a 1 e se classificou para a semifinal.

Na minha opinião, o desentrosamento da dupla de volantes foi decisivo na fragilidade do setor defensivo. Mas Silas prefere proteger Ferdinando do que manter a dupla que deu certo contra o Juventude (Adislon e Magrão). Já falei, e repito: Com Ferdinando na proteção à zaga o time não deverá ir muito longe. Silas teima em não aceitar os fatos.

Contudo, além da fragilidade defensiva do Grêmio na noite desta quinta, a grande polêmica da partida foi a atuação do árbitro. Ao final do primeiro tempo, Fabrício Corrêa ignorou um pênalti legítimo sobre o atacante Jonas. No segundo tempo, usou outros critérios e marcou dois para o Pelotas, sendo que o último não existiu. No VT parece que Mário Fernandes não toca em Clodoaldo. O jogador do Pelotas se atirou e ganhou o pênalti que seria a virada do time da zona sul do estado.

Como prejuízo ainda maior para o Tricolor, Douglas, que perdeu a cabeça e chutou a bola no bandeirinha após a inversão de um escanteio por um tiro de meta, foi expulso e fica de fora da primeira partida das finais do Gauchão entre o Grêmio (campeão da Taça Fernando Carvalho) e o campeão da Taça Fábio Koff.

E foi assim que, de forma surpreendente, o Pelotas de Beto Almeida venceu o Tricolor de virada e quebrou a invecibilidade de 51 jogos no Olímpico. Agora as semifinais do segundo turno do Gauchão 2010 estão definidas e serão entre Inter e Ypiranga de um lado, São José e Pelotas do outro. Os dois vencedores destes confrontos farão a final da Taça Fábio Koff na disputa pela vaga da grande final do Campeonato Gaúcho 2010, contra o Grêmio.

Jardel: Contrato de Risco abril 28, 2008

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , , ,
2 comments

A notícia de que Jardel estaria se recuperando de um problema com drogas e desejaria voltar a jogar no Grêmio, ou Vasco, mexeu com alguns setores da torcida. Cuidado. O fato de Jardel ter sido o grande ídolo Tricolor dos áureos anos 90 de Felipão no Grêmio, não significa que seu retorno, na atual condição em que se encontra, seja a solução da lavoura gremista. Correto o discurso de André Krieger. Considero, no mínimo, imprudente olharmos para o fato, como Krieger coloca, com a paixão acima da razão.

Acredito que Jardel até possa ser incluso em um processo de recuperação para voltar a atuar pelo Grêmio, por tudo que respresentou para o Clube na década de 90. Apesar de passados mais de 10 anos de sua passagem por Porto Alegre, o jogador se manteve em alta também na Europa até 2003.

O problema é que desde então, o atacante enfrentou separação, depressão, problemas com cocaína e passou por vários clubes, marcando apenas 4 gols nos últimos 4 anos. De fato, uma realidade muito distante daquela de quando consagrou-se, em 95, como o maior goleador da história do Grêmio, em uma temporada, com 42 gols.

Não considero os 34 anos de Jardel um empecilho para sua volta ao Tricolor, afinal temos alguns exemplos de jogadores com a mesma idade, ou mais, que ainda são diferenciais em seus times. Mas será preciso ver esta transação (se realmente vier a acontecer) como o que ela realmente é: Um contrato de risco. Sim, porque assim como o centroavante goleador pode voltar a fazer seus muitos gols de cabeça com bolas centradas por Roger, Tcheco e Paulo Sérgio, por exemplo, ele também pode seguir no ostracismo e não marcar mais que um gol, ou nem isso, pelo Grêmio.

Complicado para quem é tido como ídolo. E o amigo, o que acha da vinda de Jardel para o Grêmio?