jump to navigation

O chute jornalístico na era do imediatismo julho 5, 2011

Posted by eduardotrindade in Futebol, Jornalismo Participativo.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Sei que alguns vão me odiar por esse post, como de praxe. Mas preciso registrar meu repúdio a um fato lamentável que ocorreu na semana passada e que, pela pouca repercussão negativa, provavelmente tenha passado despercebido pela grande maioria do público leitor. E, o pior, tudo porque um “grande nome” do jornalismo esportivo gaúcho não respeitou uma regra básica do bom jornalismo: a apuração concreta dos fatos antes de sua publicação.

Na quinta feira, dia 30 de junho, o jornalista Luiz Zini Pires, colunista de Zero Hora, deu como certa a contratação de Cuca como o novo técnico do Grêmio (reprodução ao lado). Segundo Zini, o presidente Paulo Odone havia decidido passar por cima de tudo e de todos e teria definido a contratação do técnico na madrugada de quinta. O jornalista figurou o dia inteiro entre os trends do Twitter, e o Brasil inteiro fez uso de sua certeza para embarcar no “furo”. Neste caso um “furo furado”.

Em seguida, o jornalista Eduardo Cecconi do globoesporte.com, este sim como manda o manual de qualquer bom jornalista, foi checar a informação com o próprio Cuca e recebeu como resposta um não, em alto e bom tom. Bastou para que o discurso da certeza de Cuca no Tricolor, que Zini havia espalhado, começasse a afundar. Cheguei a publicar um post, ironicamente, sob o título: Cuca é o novo técnico do Grêmio (ou não).

No mesmo dia, Zini resolveu tentar “corrigir” seu erro publicando um post dizendo que Antônio Vicente Martins não havia aceitado Cuca no Grêmio. Uma contradição, pois fora ele mesmo quem, no post anterior, havia afirmado que Odone cansara de esperar por uma atitude do diretor de futebol e, por isso, teria batido o martelo com Cuca sem nem ouvir o que Vicente Martins pensava sobre a contratação.

Então, na virada de sexta para sábado, duas jovens jornalistas do Diário Gaúcho (Christiane Matos e Mariana Mondini) deram aquele que viria a ser o verdadeiro furo: Julinho Camargo seria o novo técnico do Grêmio. Desta vez, tudo como manda o manual. Fontes certas, confirmadas e checadas. Nada de imediatismo infundado. Parabéns às gurias do Diário, que foram perfeitas e não apenas deram a notícia antes de todos, mas acima de tudo deram a notícia correta. E ainda foram prudentes usando na manchete um “deve ser o novo técnico do Grêmio”.

Claro que a repercussão em cima deste tropeço de Zini foi mínima. A imagem do responsável pela coluna Bola Dividida de Zero Hora deve permanecer imaculada, inabalada. E quanto antes todo mundo esquecer que ele havia colocado Cuca no Grêmio, melhor. Mas eu me recuso a esquecer dos ensinamentos de Pedro Luiz Osório, um dos melhores professores que tive no curso de jornalismo da Unisinos. Pedro sempre deixou claro que o furo pode ser fatal para um jornalista se a informação não for checada com precisão. Melhor perder o furo apurando os fatos do que dar uma notícia furada.

Infelizmente neste caso não foi assim, e o mais lamentável disso tudo é que não vimos sequer um post do Zini pedindo desculpas aos leitores por seu post leviano e infundado. O que ele fez foi fazer de conta que não foi com ele, e seguiu a vida como se nada tivesse acontecido. Espero, pelo menos, que seus superiores o tenham chamado a atenção.

Afinal, não é possível que o bom jornalismo ainda deixe espaço para chutes como este, simplesmente porque vivemos na era do imediatismo, pois se bons jornalistas como Eduardo Cecconi, Mariana Mondini e Christiane Matos conseguem apurar as informações antes de publicar seus posts, a regra deveria ser seguidas por todos, principalmente por nomes consagrados que ainda se dão ao direito de chamar seus críticos de desinformados.

Anúncios

Os prós e contras de Julinho Camargo julho 4, 2011

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , , , , , ,
add a comment

O novo técnico do Grêmio, Julinho Camargo, 40 anos, reúne prós e contras como qualquer uma das opções levantadas durante os dias de especulação sobre quem assumiria a casamata gremista desde o pedido de demissão de Renato Gaúcho. De acordo com a enquete proposta pelo clicEsportes, os percentuais entre os que aprovam sua contratação e os que a desaprovam caracterizam um empate técnico.

Entendo perfeitamente tal empate na aceitação da torcida. Julinho é uma aposta da direção (principalmente de Paulo Odone) que espera repetir o sucesso de apostas gremistas anteriores como Felipão, Tite e, mais recentemente, Mano Menezes. O problema é que há, contudo, diferenças consideráveis entre estes treinadores (mesmo quando começaram no Grêmio) e Julinho Camargo.

Para quem não lembra, os três grandes treinadores mencionados acima, que foram apresentados ao mundo pelo Grêmio, já tinham títulos ou campanhas de expressão com clubes profissionais. Felipão havia conquistado a Copa do Brasil em 1991 pelo Criciúma, Tite havia sido campeão Gaúcho pelo Caxias em cima do próprio Grêmio em 2000, e Mano pelo Guarani de Venâncio Aires em 2002, além da espetacular campanha do 15 de Novembro na Copa do Brasil 2004, quando levou o time de Campo Bom à 3ª colocação na competição.

Ou seja, apesar de serem considerados apostas, todos os três já tinham em seus currículos títulos que os credenciavam ao posto de técnico do Grêmio. Infelizmente, não é o caso de Julinho Camargo.

Mesmo conhecendo muito bem o grupo gremista e sendo uma opção menos rejeitada que Roth, Dunga, Cuca e Adilson, (pontos a favor dele) o novo técnico gremista não tem em seu currículo nenhum título comandando equipes profissionais, apenas os títulos das bases de Grêmio e Inter. E, convenhamos, treinar a gurizada da base é bastante diferente de treinar jogadores com os salários milionários como a maioria dos atletas do elenco Tricolor.

Agora resta esperar para ver como a equipe reagirá à troca de treinador. E, para isso, nada melhor que a pedreira contra o Cruzeiro no meio da semana. Afinal, na era dos pontos corridos o Grêmio não venceu o Cruzeiro em Minas sequer uma vez. Se Julinho conseguir a proeza, garante algumas semanas a mais de tranquilidade. Se perder, apesar de não ser o fim do mundo, a pressão naturalmente aumentará. Pedreira.