jump to navigation

A regra do gol qualificado agosto 6, 2010

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , , , , ,
4 comments

Em complemento ao post anterior, fiz questão de procurar mais alguns detalhes sobre o regulamento. Primeiramente, cabe lembrar que o ano em que a Libertadores adotou este regulamento foi 2005.

A idéia era fazer com que os clubes visitantes arriscassem mais. Assim, o gol marcado fora passaria a valer dois no caso de empate em pontos e saldo. Mas o mais estranho de tudo é que a própria Conmebol não considera o critério algo muito justo, tanto que na final da competição o critério não vale.

Assim, na grande final, resultados como os do Inter contra o Banfield, Estudiantes e São Paulo, terminariam com disputa nos pênaltis, já que nenhum time conseguiu ser melhor que o outro nos 180 minutos.

O saldo qualificado tanto não é justo que sempre dá margens para reclamações. O próprio Inter, hoje beneficiado por três avanços consecutivos na Libertadores 2010, chorou copiosamente quando perdeu o Gauchão 2006 para o Grêmio de Mano Menezes, com dois empates (0 x 0 no Olímpico e 1 x 1 no Beira Rio). E era só um Gauchão!

Entretanto, preciso fazer uma correção à minha resposta ao comentário do colega André Roca, Editor do clicEsportes. Na réplica, eu disse que a UEFA não utilizava o recurso, mas pesquisei e vi que lá também ocorreram injustiças por causa deste absurdo critério de desempate.

Na UEFA Champions League 2006-7, o Real Madrid foi eliminado pelo Bayern depois de vencer em Madrid por 3 a 2 e perder na Alemanha por 2 a 1. Ambos marcaram 4 gols cada e terminaram a disputa com 3 pontos (uma vitória de cada), mas o ridículo gol qualificado prejudicou os espanhois.

Na mesma edição da competição, o Barça também sofreu com o regulamento absurdo e, depois de perder para o Liverpool no Camp Nou por 2 a 1 e vencer na Inglaterra por 1 a 0, acabou sendo eliminado também.

Enfim, acho, sinceramente, que está mais que na hora dos responsáveis pelo futebol perceberem o tamanho destas injustiças e banirem de vez o tal saldo qualificado. Ainda mais agora, com um time passando pelas oitavas, quartas e semifinal apenas com este critério.

Anúncios

Douglas Costa e o erro do Grêmio janeiro 8, 2010

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , ,
2 comments

Nos últimos anos tenho ficado cada vez mais irritado com as decisões da direção Tricolor a respeito de seus mais novos talentos. O caso mais recente foi o de Douglas Costa, mas antes dele tivemos vários casos de más negociações. Tudo bem que o Clube precisa de dinheiro, mas vender 80% do jovem craque, mal aproveitado, por 6 milhões de Euros é, no mínimo, mais um absurdo da direção gremista.

Enquanto o Internacional faz fortuna com seus jovens craques, como com Pato, por exemplo, o Grêmio gera muito mais talentos e mesmo assim faz menos dinheiro que o Inter nas negociações. Nos últimos 10 anos o Colorado, com as transações de Pato, Nilmar e Sóbis, recebeu muito mais que o Tricolor com Ronaldinho, Anderson, Lucas, Carlos Eduardo, Felipe Mationi e Douglas Costa.

Em outras palavras, mesmo com apenas metade dos craques gerados no Olímpico, o clube do Beira Rio, soube vender suas revelações por muito mais dinheiro que os incompententes da Azenha. Não é possível que ninguém mais pense como eu. Não consigo aceitar as desculpas esfarrapadas da direção gremista para explicar a necessidade da venda a preços como estes.

Chega a ser um contrasenso, pois o Grêmio diz que não vende Réver (zagueiro) para a Lazio por menos de 7 milhões de Euros, mas aceita negociar o mais jovem talento, meia atacante de apenas 19 anos, por irrisórios 6 milhões de Euros.

Douglas chegou a dizer que ficou surpreso pela negociação. Emendou dizendo que o Shakhtar Donetsk da Ucrânia poderia ser ponte para outro clube maior da Europa, entretanto, notícias recentes mostram que tanto Real Madrid, quando Manchester United (dois dos maiores clubes do Mundo) queriam o jogador, vindo diretamente do Grêmio.

Só posso entender tudo isso como uma visão diminutiva do Clube, por parte dos atuais dirigentes. Nosso glorioso Tricolor pode muito mais que isso, mas precisa ser administrado por pessoas que vejam o Clube grande como ele é.