jump to navigation

O regulamento absurdo da Libertadores agosto 6, 2010

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , , ,
6 comments

O Inter acabou de se classificar para a final da Libertadores da América 2010, mesmo perdendo por 2 a 1 para o São Paulo, por causa do gol qualificado que, na minha opinião, não deveria existir. Afinal de contas, qual a diferença prática em fazer um gol fora de casa? Nenhuma.

Mas nesta edição da competição, por exemplo, o Inter passou por Banfield, Estudiantes e São Paulo com a mesma pontuação e saldo que os adversários na disputa de ida e volta. A diferença foi o absurdo saldo qualificado que a Conmebol e a CBF aplicam em suas Copas (Libertadores, Sul Americana e Copa do Brasil).

O correto, ou pelo menos o mais justo, seria o Inter ter disputado as vagas para as quartas, semifinal e final nos pênaltis, já que não fez mais do que conseguir o mesmo resultado que seus adversários, porém com um gol marcado fora.

Em 2008, ano em que o Inter foi campeão da Sul Americana, os colorados passaram pelo Grêmio na competição também por causa do mesmo regulamento, com dois empates. A diferença foi que o empate no Olímpico teve mais gols.

E reitero que não sou apenas eu quem diz que não há diferença em fazer gol em casa ou fora. Os próprios jogadores profissionais, técnicos e cronistas esportivos garantem que as dificuldades para fazer gol, seja em casa ou fora dela são as mesmas.

Então, amigos, acho que está mais que na hora dos dirigentes da Conmebol e da CBF repensarem estes regulamentos para evitar injustiças como a deste ano, onde o Inter avançou nas últimas três fases apenas com o regulamento embaixo do braço, mas com a mesma pontuação e saldo dos adversários (Banfield, Estudiantes e São Paulo).

Por ora, temos que nos resignar e ver um time que não consegue obter diferença alguma sobre seus adversários passar adiante, apenas por conta de um regulamento absurdo.

Anúncios

Os empates que classificam outubro 2, 2008

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , ,
add a comment

Quatro jogos, quatro empates, dois adversários derrubados. Este é o resultado da campanha do Internacional da Copa Sul Americana. Mas isso não é uma crítica ao Inter, longe disso. O motivo pelo qual escrevo este post é minha não concordância com este critério do gol fora valer mais.

Alguns podem argumentar que ambos Grêmio e Inter, além de tantos outros mundo afora, já foram beneficiados com tal decisão, mas não mudo de opinião. Como falei acima, não é ao time A ou B que dirijo a crítica e sim aos inventores deste recurso de desempate nada justo.

Não é possível, por exemplo, que alguém ache que empatar em 1 a 1, ou 2 a 2, fora é mais difícil que empatar em 0 a 0 em casa. Um empate é um empate, pelo amor de Deus. E mais ainda, quando as equipes jogam duas vezes e não houve vencedor em nenhum dos jogos. O mais correto nestes casos, a meu ver, seria a disputa de penaltis, pois ainda que possa ser considerado por alguns um “sorteio”, pelo menos indica, de fato, um vencedor.

Apenas como ilustração, no caso da Sul Americana se o Inter continuar jogando com o regulamento embaixo do braço (e não vejo nada errado nisso, repito) pode sagrar-se campeão empatando todas até a final e vencendo apenas este último jogo, já que na final a regra não vale. Isto é o mesmo que dizer que o time que souber jogar dentro deste esquema, pode chegar ao título empatando NOVE partidas e vencendo apenas UMA.

E você, amigo, independente de preferências clubísticas, já que tanto Grêmio quanto Inter já se beneficiaram e se deram mal com o critério, concorda com o regulamento do gol fora em competições do formato mata-mata?