jump to navigation

Cuca é o novo técnico do Grêmio (ou não) junho 30, 2011

Posted by eduardotrindade in Futebol.
Tags: , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Suspense no Olímpico. Enquanto Luiz Zini Pires, colunista de Zero Hora com boas fontes, dá como certa a contratação de Cuca pelo Grêmio, Eduardo Cecconi, outro repórter conceituado e setorista do globoesporte.com no Olímpico, diz que acaba de falar com Cuca por telefone e o mesmo nega veementemente até mesmo que tenha sido feito algum contato para que ele seja o novo treinador do Tricolor Gaúcho.

Na minha opinião, acho que Cuca não quis revelar o acerto apenas porque a saída oficial de Renato Gaúcho ainda não foi concretizada (ainda que esteja selada). Neste caso, tudo leva a crer que Zini esteja certo e que, nas próximas horas, Paulo Odone anunciará a contratação de Cuca como novo técnico do clube. Mas como este mesmo jornalista deu como empacada a negociação com Miralles no mesmo dia que o Grêmio o anunciava, toda prudência é pouca.

Como coloquei no post anterior, o lamentável disso tudo é que Renato está saindo justamente agora que o time começava a receber os reforços e retornos de jogadores importantes lesionados. Não que ele seja o melhor treinador do mundo, mas ainda acho (e os históricos de ambos como técnicos confirmam) que Portaluppi é melhor técnico que Cuca.

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa maio 3, 2008

Posted by eduardotrindade in Jornalismo Participativo.
Tags: , , , , , , ,
add a comment

O Editorial da Zero Hora de hoje é um bom exemplo de transparência nas políticas editoriais durante a cobertura eleitoral. Fica porém, em épocas de tempestades de opinião através dos blogs, a dúvida não explicitada: Possui o jornalista do grupo RBS, ou de qualquer outro grande grupo de comunicação, plena liberdade para escrever um blog pessoal que ele alimente fora de seu horário de trabalho?

Defendo, particularmente, que sim, mas entendo que com a atual visão de mercado midiático em que vivemos é praticamente impossível esperar bom senso e tolerância dos meios de comunicação hegemônicos, quando aquilo que seu jornalista estiver escrevendo em seu blog pessoal vier de, e não ao, encontro do que se tem por linha editorial do veículo.

Não concordo com a prática de empresas jornalísticas de proibição de blogs pessoais para seus jornalistas, mas tenho bons indícios para acreditar que ela exista, ainda que de forma oculta. Você já procurou o blog pessoal de algum comentarista político da grande mídia, por exemplo? Pode ser que ache, mas se o fizer, constatará que o conteúdo ali postado não distoa em nada da política editorial da empresa para a qual trabalha. E quando aquilo que o jornalista tem a dizer é contrário ao que pensam os editores do grupo? Será que é possível encontrar algum blog pessoal de colaborador da RBS, ou de qualquer outro grande meio de comunicação, nestes termos? Duvido muito.

No dia Mundial da Liberdade de Imprensa, acho louvável, como disse no início do post, a iniciativa de transparência das políticas editorias do grupo RBS no que diz respeito às eleições. Esperaria, contudo, neste dia tão representativo para a diversidade e pluralidade de fontes e opiniões no jornalismo, que também fossem mencionadas quais são as regras para os colaboradores que, em seus blogs pessoais, fora do veículo, expuserem suas opiniões se elas forem contrárias aos interesses do veículo.

Tenho minhas dúvidas se estas políticas com relação a blogs estariam realmente de acordo com a verdadeira Liberdade de Imprensa, ou mais de acordo com o que alguns teóricos chamam de Liberdade de Empresa, hipótese na qual a publicação ou não de determinados conteúdos opinativos depende primordialmente do que pensa a Empresa, não o jornalista. Talvez por isso nem possam ser divulgadas.

Enquanto isso, aproveito para, como jornalista, agradecer ao poder da blogosfera. Se hoje estás lendo este post e sabendo como penso a respeito da Liberdade de Imprensa na era digital é, justamente, por causa da democratização da produção, possibilitada pelas plataformas blogueiras.

Ainda que muitos pensem o contrário, creio que futuro da busca por informação passe pelos círculos de confiança que os blogs são capazes de oferecer e que a grande mídia está perdendo, justamente por causa desta soberba de impor apenas aquilo que os donos aceitam e por acreditar que sua posição como fornecedor confiável de informação está garantida e inabalada. Doce ilusão.

Encerro o post, remetendo, como tenho feito em alguns posts desde que o li, à obra esclarecedora de Hugh Hewitt, sobre Blogs e seu poder no novo cenário da busca por informação. É um MUST-READ para quem se interessa pelo tema e até pra quem não se interessa, mas não deseja ficar para trás. Boa leitura.